Santa Brígida está incluída em programa de prevenção e controle de Diabetes

Santa Brígida está incluída em programa de prevenção e controle de Diabetes

Fonte: Ascom / Sesab

Mais de 7 mil pacientes diabéticos de 16 municípios baianos participarão de um programa internacional desenvolvido pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), por meio do Centro de Diabetes e Endocrinologia do Estado da Bahia (Cedeba), em parceria com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) e a World Diabetes Fundation (WDF). A iniciativa visa desenvolver ações de prevenção primária e evitar complicações macro vasculares até 2019, bem como qualificar mais de 800 profissionais de saúde.

O termo de compromisso para a implantação do programa, que terá um investimento de mais de R$1,5 milhão, foi assinado na tarde desta última quarta-feira (22) e contou com a presença do secretário da Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas, da diretora geral do Cedeba, Reine Chaves, e de representantes dos 16 municípios além da Secretária Municipal de Saúde de Santa Brígida Elisangela Silva.

"Entendemos que o caminho para a redução do diabetes passa pelo controle dos fatores de risco - obesidade, sedentarismo, alimentação inadequada e o consumo de

álcool. Já para os pacientes diagnosticados é importante garantir o acesso ao tratamento para evitar as complicações que reduzem a qualidade de vida do paciente - cegueira, amputações, doenças renais - e trazem problemas para a família, além de terem um custo muito alto", destaca o secretário, ao apontar os benefícios da iniciativa estadual.

Entre os critérios de seleção dos municípios, destacam-se a necessidade de cobertura maior que 50% do Programa de Saúde da Família, cobertura de 100% do Programa de Agentes Comunitários de Saúde, população com grande vulnerabilidade social concentrada em áreas urbanas e a existência de uma rede de saúde que fortaleça a política de atenção ao diabetes. São eles: Rodelas, Abaré, Macururé, Chorrochó, Paulo Afonso, Glória, Santa Brígida, Pedro Alexandre, Jeremoabo, Cícero Dantas, Dias D'Ávila, Salvador, Lauro de Freitas, Camaçari, Alagoinhas e Ribeira do Pombal.

Reine Chaves aponta que um projeto como este busca diminuir os indicadores de complicações por conta das diabetes. "Quando capacitamos os profissionais, eles atuam de melhor forma com o paciente diabético, indicando o tratamento correto com base em protocolos clínicos", afirma a diretora do Cedeba. Ela ainda aponta é possível reduzir internações quando o paciente é acompanhando de forma adequada.

O treinamento dos profissionais começa em maio, em Salvador, e em julho na regional de Paulo Afonso. É uma capacitação de cinco dias. Além da capacitação, uma equipe do Cedeba irá monitorar os profissionais para avaliar os resultados alcançados pelo projeto. Ao longo do tempo, a ideia é que haja expansão para outros municípios.

Risco de amputação

Nos pacientes diabéticos, a incidência de ulceração é de 25%, em razão do pé diabético (definido como infecção, ulceração e/ou destruição de tecidos moles associados a alterações neurológicas e a vários graus de doença arterial periférica nos membros inferiores). E 85% das úlceras precedem as amputações, caracterizando importante problema de saúde pública.

Uma das principais complicações do diabetes sem controle, o pé diabético responde por 40 a 60% das amputações não - traumáticas. Quando os pacientes diabéticos sofrem amputações são encaminhados para o Centro Estadual de Prevenção e Reabilitação de Deficiências (Cepred), unidade da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab). A demanda por próteses no Cepred reflete o número de amputações tendo como causa o pé diabético.

Cedeba/16 municipios

 

Anteriores

1 até 10 de 129   Próximo »   Último »